Não sabemos quem nasceu primeiro, se o Rock and Roll ou a brilhantina, mas sabemos que ambos contribuíram, cada um à sua maneira, para uma revolução musical no século XX. Se por um lado o Rock and Roll fazia abanar
o capacete, a brilhantina assegurava que os penteados se mantinham intactos durante toda a dança extravagante de alguns dos músicos dos anos 50.

  • 18 Nov. 10:30
  • 19 Nov. 15:00
gnration
Circuito - Serviço Educativo Braga Media Arts
2,50€

Preço escolas: 2,50€ por aluno. Professores acompanhantes têm entrada gratuita. 

Comprar bilhete

  • 18 Nov. 10:30
  • 19 Nov. 15:00
gnration
Circuito - Serviço Educativo Braga Media Arts
2,50€

Preço escolas: 2,50€ por aluno. Professores acompanhantes têm entrada gratuita. 

Comprar bilhete

Uma das grandes riquezas do Rock é a sua diversidade de estilos. O Rock foi uma espécie de tubo de ensaio onde ao longo de todo o século XX até à atualidade se experimentaram novas formas de liberdade. Muitas vezes apelidada de rebelde, a música Rock ganhou forma na voz dos jovens que ao longo dos anos começaram a desafiar os versos na garagem de casa dos pais, escrevendo letras e melodias com uma forte expressão popular entre os adolescentes. Esses seres, de uma metamorfose longa entre a infância e a fase adulta, para se transformarem precisam de largar a pele que carregam com as velhas convenções dos seus antepassados e que já não lhes servem. Foi assim com as letras do Kurt Cobain, onde purgava a sua relação instável com a família. Terá sido assim com os Sex Pistols, ao tentarem libertar-se das amarras de uma sociedade conservadora e a reivindicarem justiça social nas suas canções. A música God Save the Queen abalou a Inglaterra.
 
Soundcheck é um espetáculo que reivindica o lugar da resistência para o centro do palco. Que assume a escuta como forma central de protesto. Que existe para lá da pressa da vida veloz, que resiste através da empatia, da solidariedade, da ação coletiva. É um abanar de anca em direção ao futuro, um rastilho em jeito de inquietação para as novas gerações.

Dramaturgia, Encenação e Interpretação: Bruno Martins 
Olhar Externo e Assistência De Encenação: Cláudia Berkeley 
Direção Musical: Pedro ‘peixe’ Cardoso 
Interpretação Musical: Pedro ‘peixe’ Cardoso/Pedro Souza E Susie Filipe 
Cenografia e Figurinos: Catarina Barros
Direção Técnica e Desenho de Luz: Valter Alves
Operação de Som: Mariana Guedelha 
Programa de Mediação: Vera Santos
Produção: Raquel Passos 
Comunicação: Anaïs Proença
Fotografia de Cena: Paulo Pimenta 
Registo de Vídeo e Parceria: Os Fredericos
Design Gráfico: Rui Verde 
Coprodução: Teatro Da Didascália, A Oficina, Casa Das Artes De V.N.Famalicão, Teatro Aveirense, Circuito - Serviço Educativo Braga Media Arts, Cineteatro Louletano.
O Teatro da Didascália é uma estrutura financiada pela Direção-Geral Das Artes – Ministério Da Cultura

Classificação etária: m/12
Duração: 60 min.