A Experience Changsha Media Arts Residency fez parte do Festival de Media Arts de Changsha e do Fórum Internacional da Juventude sobre Criatividade e Património ao longo da Rota da Seda. Na cidade chinesa, duas artistas portuguesas estiveram em residência para a produção de duas obras que figuraram no Changsha Media Arts Park ​​​​​​.

17 Maio 2019

link

Experience Changsha Media Arts 2019

A Experience Changsha Media Arts Residency fez parte do Festival de Media Arts de Changsha e do Fórum Internacional da Juventude sobre Criatividade e Património ao longo da Rota da Seda. Na cidade chinesa, duas artistas portuguesas estiveram em residência para a produção de duas obras que figuraram no Changsha Media Arts Park ​​​​​​.

17 Maio 2019

link

O Programa artístico “Experience Changsha” foi um exercício interposto pela cidade de Media Arts de Changsha de exploração urbana como metáfora, imagem e elemento desconhecido, deparando-se com os sentimentos e fantasias do "estrangeiro". "EXPERIÊNCIA”, uma palavra cheia de atividade e senso de lugar, refere-se a regiões específicas e demonstra ainda mais a comunicação e interação entre comunidades. Obviamente, “Experience Changsha” é uma ação artística eficiente e rítmica, uma exposição interdisciplinar sobre “retratos urbanos” de 7 artistas de new media e empreendedores da Alemanha, Portugal, Coréia do Sul, Filipinas, Indonésia e República da Macedónia do Norte. Começando com a impressão delineada da cidade a partir da curta viagem de Changsha, através da prática interdisciplinar da realidade virtual, novas arquiteturas de media art, instalações, animação, inteligência artificial, etc., para realizar a exibição deste projeto de residências.

À medida que os vários parques artísticos e criativos vão emergindo nas principais cidades da China, o programa de residências artísticas vem passando por um processo de profissionalização abrangente e rápido. No início desta candidatura, avaliar a integridade do conceito criativo e a viabilidade da solução técnica da proposta artística era a tarefa principal. Como disse Simryn Gill, “os artistas não pertencem mais a uma determinada área geográfica, vivem nos lugares inter-regionais que se ligam a áreas adjacentes”. Este programa de residências é um endosso e também uma expectativa de criações artísticas, à luz dessa frase. É também um novo desafio que expõe a transformabilidade e a reprodutibilidade do conhecimento e da experiência em múltiplas regiões e contextos. À medida que a residência artística se torna parte desta jornada cultural, o novo “regionalismo” da globalização tornou-se o núcleo da prática criativa residente.

A exposição é composta por sete projetos sendo que dois eles foram realizados por duas portuguesas com traços bem próximos a Braga e à cidade criativas das media arts:

A Cláudia Oliveira, uma das partes de Elas Duas (coletivo artístico com vários trabalhos expostos na cidade) é especializada em New Media Art e mestre em Artes Digitais pela Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona. Imaginou a obra "paper.gif", uma instalação cinética que transforma 12 rodas de cerâmica num tipo de máquina zootrópica, referenciando elementos do património cultural chinês, cerâmica, corte de papel e reinterpretando-os numa nova experiência sensorial. 

Rita Patela é licenciada em Design de Moda pela ESAD de Matosinhos e está atualmente a fazer um mestrado em Ilustração e Animação, na Escola Superior de Design do IPCA, em Barcelos. Criou o "map", uma instalação indoor que é uma ode à cidade e ao seu futuro, propondo um novo ponto de vista de Changsha usando uma sucessão de camadas de tecido, para mostrar as diferentes interações entre a cidade e o público.

Veja a galeria de fotos e explore esta residência mensal pelo resultado final dos artistas: